Páginas de cães de trabalho - O cão de fila de São Miguel, um cão de trabalho dos Açores

O cão de fila de São Miguel,
um cão de trabalho dos Açores



Informação básica

Nas ilhas remotas dos Açores, no meio do Atlântico, vive um excepcional cão de trabalho: o cão de fila de São Miguel. São Miguel é a ilha principal do arquipélago dos Açores, com cujo nome a raça foi baptizada. O seu estilo de trabalhar é agressivo, de modo que o cão é capaz de dominar também os mais iracundos animais sob a sua guarda. A este pastor dos Açores, não lhe falta coragem. É um cão de trabalho, achamos que não seja bom como cão de companhia.
O cão de fila de S. Miguel é uma raça propria de cão das vacas dos Açores e mantinha-se pura durante varias centenas de anos. O registo oficial destes cães foi iniciado na década 1980, para garantizar a sua pureza racial. Naquele tempo, os Açores estavam no ponto de abrir-se para o mundo exterior, graças a comunicações modernas e regulares e, por consequência, mais e mais cães de outras raças começaram a invadir as ilhas, criando-se assim um perigo de mistura de raças. Com boa razão podemos dizer que "o pai da raça" (de cão de fila de S. Miguel) é Sr Antonio José Amaral, pois pela sua iniciativa foi iniciado o trabalho de registrar os cães de fila de S. Miguel, em colaboração com uma médico veterinario, Sra Maria de Fatima Machado Mendes Cabral. Eles têm o mérito imensurável a que o cão de fila de S. Miguel ainda existe como um cão pastor igualmente forte e tenaz como, por exemplo, 300 anos atrás.
Foi fundadora oficial da raça, com o número de registo 1 no ano 1982, a cadela Corisca, propriedade do Sr Amaral; um exemplar que era o padrão perfeito da sua raça. No ano 1984, a raça foi oficialmente aprovada e reconhecida pelo Clube Português de Canicultura, conforme o estalão elaborado pelo Sr Amaral. Os habitantes dos Açores têm um grande orgulho por esta raça, e com boa justificação consideram-na uma parte de uma tradição e cultura antiga. É uma raça muito rara, o que é provado pelo facto que no mundo inteiro somente existem cerca de 3000 individuos registrados, e quase todos vivem na sua ilha de origem, S. Miguel, nos Açores. Muito poucos cães de fila de S. Miguel sairam das ilhas, tal vez devido à situação remota das ilhas dos Açores no Atlântico e ao facto que o conhecimento da raça é escassamente difundida no exterior das ilhas e Portugal continental. Os criadores que cuidam da pureza da raça, querem manté-la como um puro cão de trabalho e, por isto, também controlar a venda dos cães. Um cão de fila de S. Miguel deve ter o direito de fazer o trabalho para o qual foi criado, e por isso não o recomendamos para ser somente um cão de companhia ou passatempo.

As caraterísticas e
o carácter no trabalho de pastor

O cão de fila de S. Miguel é um cão de trabalho forte, firme e tenaz. Nasce no prado e também alí será provavelmente enterrado, depois de ter terminado o seu serviço.
O cão de fila de S. Miguel é inteligente e aprende com facilidade. Gosta muito de trabalhar com o seu dono, sendo um cão de fácil condução. Apesar do seu tamanho (a sua altura é à volta de 60 cm) agarra, morde e desvia-se rapidamente que nem um raio. Morde o gado somente no tendão de Aquiles, para não atingir os úberes sensiveis das vacas. Também sabe controlar a sua mordedura para não ferir aos animais guardados. Além das vacas o cão de fila de S. Miguel maneja bem cabras, ovelhas e porcos. O cão de fila de S. Miguel não se esquiva nem um animal de manada grande ou irascível, e em caso de necessidade o seu estilo de pastorear é agressivo e audaz, pois sem esta característica não poderia fazer o seu trabalho. Este cão é utilizado para guardar o gado por exemplo contra os ataques de ladröes ou cães salvagens. Exercem independentes o seu trabalho de pastor nos prados. Possuem uma enorme vontade propria e inteligência, por isto sabem actuar com independência e não necessitam sempre o dono para dar ordens no seu lado.
Esta raça tem muito forte nos genes o instinto de pastor porque durante toda a sua historia foi utilizado somente no trabalho e, por isso, esta característica nunca enfraquecera. Este instinto dentro deles é tão forte que um cachorro não precisa ser adestrado a pastorear: fa-lo instintivamente, e aprende, crescendo, a fazer diferentes tarefas, caminhando com o dono nos trabalhos da quinta e imitando aos cães maiores.
Os nossos cachorros na Finlândia também começaram imediatamente a pastorear, sem adestramento, sem sequer ter o modelo de um cão maior. Um bom exemplo disto é uma foto de nosso cachorro de cão de fila de S. Miguel, na idade de cinco mêses, guardando, com método ortodoxo, a uma vitela no campo. A foto foi tirada quando o cachorro foi iniciado, estando na quinta há pouco mais de uma semana.
O leitor pode encontrar mais experiências de adaptação e trabalhos dos nossos cachorros na Finlândia na nossa página principal, sob o título A raça na Finlândia.

Um guarda
convincente

O cão de fila de S. Miguel é um guarda extremamente firme, trate-se do gado, homens, do terreiro da casa, objectos ou qualquer coisa que considera ser seu propria. Enquanto está a guardar, é inútil que um desconhecido intente acercar-se: somente a sua figura forte e olhar severo são suficientes para afugentar um intrometido. Sob a ameaça de um perigo verdadeiro defende ardentemente e até o fim o que é seu. A raça possui um bom entendimento da relatividade, sabe bem distinguir um perigo verdadeiro de uma situação normal e é capaz de agir num abrir e fechar de olhos, guiado pelos seus instintos fortes.
São muito poucas as raças de cães de fila usadas com gado as quais se reunem de uma maneira tão firme e convincente estas dues características de trabalho: pastor e guarda. É preciso mencionar que, devido à forte característica de cão de fila nesta raça, o adestramento deve ser neste sentido muito coerente, bem definido e até rigoroso, se necessário. Um cão de fila bem equilibrado sabe também deixar de guardar, quando o dono lhe dá o comando. O cão deve aceitar um forasteiro, se o dono o aceita, contanto que a ordem de importância entre o dono e o cão é claro. Daremos aos compradores de nossos cachorros instruções em coisas relacionadas à guarda, pois estas devem ser muito claramente ensinadas ao cachorro, porque se trata de uma raça muito primitiva, com instintos fortes.

Os cães de fila de S. Miguel
na Finlândia

O ponto seguinte do menu principal, A raça na Finlândia, dará-lhe informação sobre a situação actual da raça e no ponto Mediação de cachorros obterá informação adicional sobre a maneira de adquirir um cachorro.
1