Páginas de cães de trabalho - A raça na Finlândia

A raça na Finlândia




O primeiro cão de fila de S. Miguel importado para a Finlândia pelo nosso canil no ano 1997 foi o macho Raid dos Açores . Já antes disso, tínhamos trabalhado muito tempo com a raça, adquirindo informação sobre ela e formando contactos com os Açores. Depois de nós termos familiarizado com a raça, as suas características e o seu método de trabalhar, ficamos convencidos de que queriamos fazer esforços por este excepcional cão de trabalho. Compramos o nosso cão a Sr Antonio José Amaral, que tem feito um trabalho excepcional criando esta raça (veja o ponto principal, O cão de fila de São Miguel, Um cão de trabalho dos Açores: Informação básica).

Por seguinte, compramos a uma cadela,Ronda dos Açores , no ano 1999. Vale a pena contar que antes do começar a actividade propria do canil, quisemos presentar os nossos cães de fila também no ambiente das exposições caninas. É um facto reveleante da qualidade exterior dos nossos cães que ambos ganharam o campeonato mundial nesta área. Mas a coisa mais esencial e importante, a característica de trabalhar, será avaliado no trabalho prático com o dono. A qualidade do trabalho que fazem os nossos cães, é o critério absolutamente mais importante para avaliarmos o nosso trabalho no canil, e junto a isto, os demais méritos são secundários.
Fizemos estes dois cães procriar cachorros e a primeira ninhada na Finlândia (8 cachorros) nasceu em Outubro de 2000. A segunda ninhada (5 cachorros) da mesma "combinação" nasceu em Dezembro de 2001. Assim, temos, no total, 15 cães de fila de S. Miguel registrados na Finlândia.
Ha pouco tempo (no Fevereiro do 2002) chegou direitamente dos Açores à Finlândia a terceira importação estrangeira do nosso canil, um cachorro macho, Nico, com aproximadamente três mêses da idade.


Experiências do trabalho
dos nossos cachorros

Um dos machos da nossa primeira ninhada (Auto de Fé Boomslang ) trabalha numa quinta de produção natural, no distrito rural de Virrat, na Finlândia. Na quinta ha vacas e cabras. Quando o cachorro chegou, na idade de 12 semanas, a sua casa nova, a característica do pastor já foi claramente visível nele. Nem deixou sequer a patroa da quinta ir so à retrete! Já logo de início, entendeu-se bem com os meninos, embora que no principio corria todo o tempo no lado deles, dando dentadas nos seus pés. Por isto os meninos foram proibidos de jogar perseguições e outros jogos bravos que fossem mais violentos.
O cachorro já ganhou jeito para pastorear as vacas e cabras, aprendendo com as suas más experiências. O seu ardor pelo trabalho näo foi desencorajado, embora recebeu - até durante o mesmo dia - um coice de uma vaca e uma marrada de uma cabra. O coice da vaca causou na sua lingua uma borda permanente de "bolacha"! Por um momento pensou na sua experiência e depois seguia adiante com o mesmo ardor de antes, embora com um estilo um pouco mais prudente. Agora sabe morder o animal guardado nos membros traseiros, sem causar dano. Os donos têm-se dado conta de que o cachorro possui características típicas da sua raça: aprende facilmante, é assíduo, trabalhador e sociável. Mas ao ver chegar desconhecidos, tambén mostra desconfiança, sendo esta uma característica relacionada ao trabalho de guarda.

Os nossos tres cachorros cadelas (Jeanne, Pimiko e Theodora , cachorros de Auto de Fé e também da nossa primeira ninhada) foram adquiridos, na idade de um pouco menos de meio ano, por uma quinta de gado bovino em Miehikkälä. As crias acostumaram-se aos seus novos donos em dois ou três dias. A partir do segundo dia os cachorros têm vivido na vacaria, na parte onde se dão leite aos novilhos, e também participam nos afazeres da vacaria. Tomamos um exemplo: os cachorros afastam as cabeças dos bois fora da mesa de alimentação durante a varredura; uma mordidela no focinho é eficaz até contra animais muito grandes.
Os cachorros aprenderam os límites da área própria dando voltas com os donos nas margens dos campos. Iniciaram os trabalhos de guarda pastoreando os novilhos. Já na primeira vez, um dos cachorros agiu correctamente: com tranquilidade caminhava detrás de novilho enquanto este iba adiante e mordeu-o na pata, se ele quiz desviar-se.
Os cachorros têm se mostrado muito curiosos e sociáveis e com vontade de tomar contacto, por isso aprenderam com facilidade. Decerto têm tambén esta característica forte e audaz que precisam para guardar os novilhos. E ouvindo quiasquer sons estranhos ou vendo a pessoas desconhecidas, dão alarme, de modo que não lhes faltam características de um bom guarda.

Auto de Fé Krakatau , o nosso cachorro macho, saiu na idade de aproximadamente 9 mêses para uma quinta de gado bovino em Viljakkala, onde tomou o seu primeiro contacto com o gado. A sua idade avançada de cachorro pareceu não ser ninguem obstáculo para a adaptação. Já muito brevemente após da sua chegada, començou instintivamente o seu trabalho de pastor. Neste trabalho, tem muita inciativa própria e os donos claramente aperceberam-se de que o cachorro compreende onde a sua ajuda é necessária. Brevemente após da sua chegada, Krakatau foi, totalmente por iniciativa própria, a buscar as vitelas que escaparam ao ar livre, sem que alguém o tivesse pedido fazê-lo. Krakatau vive também na vacaria com o gado e faz cada tarde um giro de controle, para assegurar -se de que cada vaca esteja presente com certeza. Será muito inverossímil que visitantes não convidados tenham acesso ao hábitat deste guarda.

Todos os cinco cachorros da nossa segunda ninhada obtiveram trabalho numa quinta de gado bovino, e ficamos esperando notícias sobre seu trabalho, depois de eles terem um pouco mais de tempo para crescer. Ao escrevermos isto, estamos somente no momento da entrega dos cachorros. Durante a primavera e verão actualizaremos os textos com novas fotos de trabalho!

No conjunto, os possuidores dos nossos cachorros estão muito convictos e contentes. O trabalho feito por nós falou por si. Nós pensamos que o cão de fila de S. Miguel tem dons congénitos. Somos muito alegres podendo oferecer às quintas finlandêsas um cão de trabalho que se adapta bem. Queremos agradecer aos donos das quintas que adquiriram nossos cachorros, pela sua atitude sem preconceitos contra esta raça tão rara.

A mediação de cachorros
e planos do futuro
do nosso canil


Porque a actividade do nosso canil está no seu inicio, faremos a procriação das ninhadas segundo as encomendar. Faça o favor de tomar contacto com nos, se lhe interesa adquirir um cachorro! Na nossa página principal, no ponto Mediação de cachorros, damos mais informação relacionada com este assunto.
As mostras convincentes que os nossos cachorros deram no seu trabalho, são uma prova de que a forte característica de guarda é um dom congénito nesta raça, não é um resultado atingido com mero ensino. Cremos, pois, que esta raça seguramente ganhará prestigio na Finlândia, se tivermos a possibilidade de distribuir informação sobre ela às quintas. Pensamos que neste momento é isto o maior desafio que temos à nossa frente.

No nosso trabalho queremos manter as tradiçôes e bases mantidas pelos criadores nos Açores, e a mais importante delas é que o cão de fila de S. Miguel deverá manter-se no futuro como um pastor igualmente forte como agora. É por isso que vendemos estes cães somente para ser câes de fila de gado ou para trabalhos de guarda nas quintas, mas absolutamente não para cães de companhia ou afeição. No nosso trabalho de canil não vamos arranjar exposições caninas nem shows, porque o cão de fila de S. Miguel é um cão de trabalho não polido que tem todo o direito manter-se como tal. Isto é também um das suas forças. Esperemos que nunca será um cão de salões.
1